Greve de trabalhadores deixa França paralisada

As greves na França contra o projeto de Reforma Trabalhista do governo de Hollande se estenderam a vários setores

Déficit da previdência social é farsa!

Com argumentos incontestáveis, Denise Gentil destroça os mitos oficiais que encobrem a realidade da Previdência Social no Brasil

Sindicalistas de todo o país aderem à Unidade Popular

Em um ato público realizado em Maceió, Alagoas, sindicalistas de vários estados aderiram ao Partido Unidade Popular pelo Socialismo

PL\4330 volta à pauta no Congresso Nacional

O movimento sindical deve colocar a luta contra o PL 4330 como uma batalha de vida ou morte para a classe trabalhadora.

Apesar de comum, assédio sexual no trabalho é pouco denunciado no Brasil

Vergonha, medo e dificuldade de provar a agressão levam as vítimas a preferir o silêncio.


domingo, 1 de setembro de 2019

ROUBO NO METRÔ: CONSÓRCIOS CAPITALISTAS IMPEDEM MELHORIAS NO TRANSPORTE PÚBLICO




Veio à tona mais um esquema de corrupção envolvendo o Metrô de São Paulo. O ex-gerente de contratos e compras da empresa, Sérgio Corrêa Brasil, relatou a procuradores da operação Lava-Jato uma série de episódios de favorecimento de empreiteiras, distribuição de propinas e financiamento de campanhas eleitorais através da manipulação de licitações das linhas 2 – Verde, 5 – Lilás e 6 – Laranja.

As empresas envolvidas no esquema já são grandes conhecidas em negociatas: Odebrecht, Camargo Côrrea  e  Andrade Gutierrez. Segundo o ex-funcionário do Metrô, o arranjo se deu por mais de dez anos, durante as gestões tucanas no governo de SP. Para manter contratos com essas empresas por tanto tempo, o Metrô não realizava novas licitações para a continuação das obras previstas. Devido aos interesses das construtoras, fazia parte do esquema atrasar obras e torná-las ainda mais caras. O governo de SP chegou a desistir do projeto de ampliação da  Linha 2 – Verde até São Caetano só porque isso exigiria uma nova licitação e prejudicaria as mesmas empreiteiras que haviam fechado contrato com o estado na década de 1990.

Além do ex-diretor do Metrô, os partidos golpistas PSDB, PTB, PPS (Cidadania) e PFL (DEM) também recebiam parte da propina. O trato com deputados estaduais se deu para que a Alesp não questionasse sobre os referidos contratos. Entre os envolvidos, estava o então deputado estadual Rodrigo Garcia (DEM), hoje vice-governador de SP. Outros milhões das propinas foram para a empresa GW Comunicação, responsável por campanhas de José Serra e Geraldo Alckmin entre 2002 e 2012. Tal esquema contava até com o Tribunal de Contas do Estado.

O governo de São Paulo reduziu drasticamente os investimentos no Metrô nos últimos anos, passando de R$ 4 bilhões aplicados em 2014 para apenas R$ 1,4 bilhão investidos em 2017. O diretor-presidente do Metrô Silvani Alves Pereira, em entrevista ao Valor, afirmou que há anos a companhia opera com resultados negativos, apontando concessões de todas as estações da Linha 2 –Verde e a estação do Brás como caminho para diminuir prejuízos.

Há muito tempo, nós que defendemos transporte público, gratuito e de qualidade temos dito: quem impede a melhoria do transporte público são grandes construtoras que perseguem lucros a qualquer custo. Os esquemas de corrupção no Metrô revelados nos últimos anos comprovam isso. Os governos tucanos fazem parte de tamanho ataque ao patrimônio do povo. São empresas e seus governos lacaios os culpados pela lotação no metrô, pelo trabalhador não ter direito ao menos de ser transportado com dignidade, mesmo pagando R$ 4,30 pela passagem, valor absurdo para um assalariado. Por isso, precisamos dar o recado: tirem as mãos do Metrô! Defender o transporte público e uma gestão voltada para os interesses do povo é tarefa de todos e é imprescindível para conquistar a qualidade que o povo trabalhador merece.

UP nos Trilhos
São Paulo

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Dia 13 de Agosto é mais um dia de mobilizações por todo o país; Confira alguns motivos para ir à luta!


Governo ri da desgraça do povo brasileiro

           Está marcado para o dia 13 de Agosto novas mobilizações contra as medidas do governo de Jair Bolsonaro (PSL). É de extrema necessidade
que a classe trabalhadora brasileira responda nas ruas às ondas de ataques que o governo fascista está fazendo em nosso país. O que não faltam
são motivos para protestarmos contra a barbaridade deste governo que todos os dias propagandea a violência do estado contra os provos tradicionais, contra a legislação trabalhista e contra a educação! Aqui vamos enumerar alguns motivos para você participar destas mobilizações.

1) O Governo Bolsonaro cortou 90% das Normas de Segurança do Trabalho;
As mudanças impactaram em centenas de ambientes de trabalho, que vão desde fornos de padarias até grandes siderúrgicas. O falso discurso de modernização e flexibilidade, esconde o total desrespeito à segurança dos trabalhadores, beneficiando o capital internacional que explora mão de obra barata e os capitalistas nacionais subservientes a esta situação.O verdadeiro lema do governo é "Brasil abaixo dos EUA e Lucro acima de tudo".

2) O Governo Bolsonaro faz novo corte da Educação;
O novo corte foram em nove Ministérios (Leia http://averdade.org.br/2019/07/novos-cortes-bloqueiam-r144-bilhoes-e-afetam-nove-ministerios/), o que intensificará a crise em todo o país. Vamos destacar aqui o Ministério da Educação, que até o momento, é o ministério que mais cortes sofreu. Ao todo foram R$ 6.182.850.753 que deixaram de ir para a pesquisa acadêmica, universidades, educação básica entre outros. O governo já anunciou o fim do Fundeb, que garante o funcionamento na educação básicas nos municípios mais carente do Brasil.

3) Os Vazamentos que comprovam justiça parcial;

O Governo Bolsonaro foi beneficiado pela justiça parcial, que de cega tem apenas a estátua. Por isso, ameaça de prisão e deportação um jornalista que trouxe à tona os fatos tenebrosos que fizeram parte da teia que levou um fascista à presidência, juntamente com o próprio juiz Moro que armou o esquema. Além de banqueiros representados pelo privatista e entreguista Paulo Guedes e os militares que saíram das casernas e passaram a ocupar ministérios. Assim fica evidente que todo o processo eleitoral foi viciado, mantendo Lula na prisão até o momento.

4) Bolsonaro indica filho para embaixador do Brasil nos EUA;

Como estratégia de beneficiar sua família, Bolsonaro chegou ao cúmulo de indicar o próprio filho para embaixador dos Estados Unidos.Em recente declaração, o presidente Donald Trump aprovou a indicação, assim como alguém que agradece quando ganha um cachorro de extimação.O objetivo é entregar nosso patrimônio para os EUA, e fazer o país exercer a condição de capacho estadunidense.

5) Governo chancela assassinatos de indígenas;

Há dias um grupo de garimpeiros assassinos invadiram uma aldeia e assassinaram o líder do povo waiãpi. O cacique teve seus olhos furados e seu órgão genital cortado. O novo presidente da Fundação Nacional do Indio (FUNAI), o delegado da Polícia Federal Marcelo Augusto Xavier da Silva, põe em dúvida esta morte. A nova direção do orgão nutre grande simpatia aos garimpeiros e latifundiários, tão bem representados neste governo.

6) Bolsonaro esconde informaçõs sobre torturas e assassinatos na Ditadura Militar;
Notório defensor da tortura, Bolsonaro deixou escapar em entrevista que conhece as razões e circunstâncias do assassinato de Fernando Santa Cruz, lutador pelos direitos do povo e por uma sociedade sem exploração. O atual presidente ridicularizou a dor de um filho que perde o pai, atacando o atual presidente da OAB  Felipe Santa Cruz, filho de Fernando, ao dizer que sabia e contaria como o desaparecido político teria sido morto. Além de descredibilizar a instituição Ordem dos Advogados do Brasil, ao perguntar "Quem é essa OAB?". A deumanidade é típica dos fascistas.

7) Bolsonaro ataca o povo nordestino;

Ao dizer no canto de ouvido de seu comparsa Onix Lorenzoni, que "Dos governadores da Paraíba, o pior é o do Maranhão", Bolsonaro desconsidera uma região do país que preside.Desconhece a cultura, as diferenças dos estados, e toda a luta que o povo nordestino travou e trava em nosso território. O que mostra que ele não é o presidente do povo brasileiro, mas de elites que financiaram sua campanha com as mentiras que o fizeram sentar na cadeira presidencial.Por declarações vazadas, o governador de Porto Rico foi obrigado à renunciar ao cargo por uma histórica pressão popular.

8) Governo distribui dinheiro em troca de votos na Reforma da Previdência;

O governo Bolsonaro diz que precisa economizar, "cortar na carne", para o Brasil voltar a crescer. A propaganda era que a Reforma da Previdência seria positiva para o país. Mas o que assistimos foi diferente. O governo distribuiu R$ 444 milhões em emendas parlamentares em troca de votos para a aprovação da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Esta luta ainda não acabou. A reforma ainda irá à votação no Senado. A verdade é que a Única luta que se perde e aquela que se abandona. Não abandonaremos!

9) Milicianos e o governo Bolsonaro;

Ao se descobrir que o assassino de Mariele Franco e Anderson Gomes é vizinho de Bolsonaro em um condomínimo de luxo no Rio de Janeiro, ficou evidente a ligação da família Bolsonaro com o crime. As investigações pararam por aí. A pergunta é quem mandou matar Mariele Franco, e qual é exatamente a ligação das milícias com este governo.

10) Corrupção já é marca do governo;

O laranja Queiroz continua desaparecido e continua a zombar do povo brasileiro ao montar uma farsa para justificar os depósitos à familia bolsonaro.O crime permanece impune até os dias de hoje.





Há outros tantos motivos que revoltam o povo brasileiro. Este governo deve ser combatido. Ocupar as ruas é tarefa de nossa geração, que acompanha com intensa indignação todos estes acontecimentos.Dia 13 de Agosto é mais um dia para ocuparmos as ruas e lutar!

Renato Amaral
Movimento Luta de Classes - MLC

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Karl Marx - Sindicatos: Seu Passado, Presente e Futuro


              

             Neste momento de intenso ataque aos direitos da classe trabalhadora brasileira por parte do governo Bolsonaro. O Movimento Luta de Classes publica um texto de Karl Marx onde o fundador do Socialismo Científico debate as tarefas dos sindicatos para a superação do sistema capitalista.
          É necessário que a classe trabalhadora se arme com a teoria para avançarmos na luta pelos nossos direitos e por uma nova sociedade.


Sindicatos: Seu Passado, Presente e Futuro
 
A) SEU PASSADO

Capital é poder social concentrado, ao passo que o trabalhador dispõe apenas de sua força de trabalho individual.

Por isso, o contrato firmado entre capital e trabalho não pode jamais se assentar sobre condições justas, justas nem mesmo no sentido de uma sociedade que opõe a propriedade sobre os meios materiais de vida e do trabalho à força produtiva viva.

O único poder social dos trabalhores é o seu poder numérico.

Entretanto, esse poder numérico é anulado pela desunião.

A desunião dos trabalhadores surge e mantem-se através da inevitável concorrência que sustentam entre si.

Os sindicatos vieram ao mundo, originariamente, por meio das tentativas espontâneas dos trabalhadores de suprimirem ou, ao menos, limitarem essa concorrência, com o objetivo de imporem condições contratuais que os elevassem, no mínimo, acima da posição de meros escravos.

Sendo assim, o objetivo imediato dos sindicatos limitou-se às exigências do momento, enquanto meio de defesa contra os permanentes assaltos perpetrados pelo capital, em uma palavra : limitou-se às questões relacionadas com salário e jornada de trabalho.    

Essa atividade dos sindicatos não é tão somente justificável, senão ainda necessária.

Não é possível desaconselhá-la, enquanto persista existindo o atual modo de produção.

Pelo contrário, essa atividade deve vir a ser generalizada através da fundação e centralização de sindicatos em todos os países.

Por outro lado, os sindicatos, sem que se tornassem conscientes desse fato, tornaram-se centros de organização da classe trabalhadora, tal como o foram as municipalidades e comunidades medievais para a burguesia.

Se os sindicatos já são indispensáveis para guerra de guerrilha travada entre capital e trabalho, são eles tanto mais importantes enquanto força organizada para a eliminação do próprio sistema de trabalho assalariado.

B) SEU PRESENTE


Os sindicatos ocuparam-se, até o presente momento, exclusivamente com a luta local e imediata contra o capital e ainda não compreenderam inteiramente que forças representam na luta contra o próprio sistema de escravidão assalariada. Por isso, mantiveram-se muito distantes dos movimentos políticos e gerais.

Nos últimos tempos, parecem, entretanto, estar despertando para sua grande missão histórica, tal como se pode concluir a partir de sua participação no mais recente movimento político da Inglaterra, a partir da mais elevada concepção de suas funções nos EUA e da seguinte Resolução da Grande Conferência de Delegados Sindicais, ocorrida há poucos dias em Sheffield:

«Essa conferência elogia plenamente os esforços da Associação Internacional no sentido de unificar os trabalhadores de todos os países no quadro de uma liga fraternal comum e recomenda, de maneira pertinaz, às diversas organizações aqui representadas que ingressem nessa Associação, acreditando ser essa última necessária para o progresso e a prosperidade de todos os trabalhadores.»[2]  

C) SEU FUTURO


Apesar de seus objetivos iniciais, os sindicatos devem aprender agora a agir como centros de organização da classe trabalhadora, atuando no grande interesse de sua completa emancipação.

Devem apoiar todo e qualquer movimento social e político que se projete nessa direção.

Se os sindicatos conceberem a si mesmos como vanguardas e representantes de toda a classe trabalhadora, atuando de acordo com essa concepção, haverão de conseguir arrastar os excluídos para o interior das suas fileiras.

Devem ocupar-se cuidadosamente com os interesses das profissões mais mal pagas, p.ex. os trabalhadores rurais que se demonstram como impotentes, por força de circunstâncias particularmente desfavoráveis.

Devem convencer todo o mundo de que suas aspirações encontram-se muito distantes de serem limitadas e egoístas, estando direcionadas, pelo contrário, para a emancipação dos milhões de oprimidos.

Karl Marx - 
Gewerksgenossenschaften. Ihre Vergangenheit, Gegenwart und Zukunft (Associações Sindicais: Seu Passado, Presente e Futuro), in: Marx und Engels – Werke (Marx e Engels – Obras Completas), Vol. 16, 1962, pp. 196 e s.