quarta-feira, 15 de maio de 2013

Trabalhadores da MGS são vítimas do desmonte do Estado



Durante a campanha eleitoral o governador Antônio Anastásia (PSDB) prometeu gerar empregos de qualidade em Minas Gerais. No entanto, o que se vê na prática é exatamente o contrário. O serviço público está sendo ainda mais sucateado e o funcionalismo vive um período de cortes de direitos e demissões.
O governador não cumpre a Lei Federal que estabelece o piso salarial dos professores e implanta na Copasa a Parceria Público Privada, uma forma de entregar o patrimônio público a empresários que só visam o lucro. O aumento da criminalidade mostra o caos da segurança pública, e o mesmo se observa na saúde e em vários setores da administração pública.
Precarização
A bola da vez são os servidores da MGS (Minas Gerais Administração e Serviços) que atuam na solução de serviços gerais, gerenciamento e apoio técnico operacional. A empresa é vinculada à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão.
A intenção do governo é acabar com a MGS e terceirizar setores inteiros do serviço público, precarizando ainda mais as condições e as relações de trabalho. Para o governo alcançar seus objetivos, a direção da MGS lançou um Programa de Demissão Voluntário (PDV) e está fazendo pressão para os trabalhadores aderirem. O mesmo está sendo feito com os eletricitários da Cemig Serviços.
Um acordo absurdo firmado sem consultar os trabalhadores, entre o governo e o Sindeac, sindicato que representa a categoria, com a mediação do Ministério Público do Trabalho, estabeleceu que não haveria demissões em massa e limitou a 270 dispensas por mês. Acima desse número, o sindicato seria apenas comunicado.
Resta saber o que eles entendem por demissões em massa. Os trabalhadores da MGS estão resistindo às pressões para aderir ao PDI e organizados contra as demissões. O Ministério do Trabalho e Emprego e ao Ministério Público do Trabalho recebeu denúncia das demissões na MGS.
Fonte: Sindieletro-MG

4 comentários:

Funcinários da mgs demitidos ou que ainda enfrentaram a demissão, o negocio é levar na justiça por danos morais, não podemos deixar essa sacanagem continuar, assim que ocorrer a demissão ja entra na justiça por danos morais e quero ver se isso vai ficar barato para o estado, pq nós recebemos pouco ainda querem economizar, tem jeito de economizar é cortar a regalia dos boa vidas que ocupam cargos políticos não dos funcionários da mgs que ja são mais que explorados, SOMOS CONCURSADOS FIZEMOS CONCURSO PUBLICO, QUEREMOS JUSTIÇA...COVARDIA DO ESTADO CORTAR QUEM JA ESTA DERRUBADO, QUERO VER MEXER NO SALARIOS DOS POLITICOS, FUNCIONARIOS DA MGS JÁ NÃO TEM MAIS NEM O QUE CORTAR GAASTOS, JA VIVEM DE ESMOLA DO ESTADO.

FUNCIONARIOS DA MGS VAMOS NOS UNIR NESSA CAUSA. SOMOS 22 MIL FUNCIONARIOS INJUSTIÇADOS, VAMOS NOS UNIR NAS URNAS, NA ELEIÇAO QUE ESTA PROXIMA, VAMOS MOSTRAR NOSSO PODER, ESSE GOVERNO DESPOTA ESTA NOS TRATANDO COMO SE FOSSEMOS LIXOS, NÓS SEMPRE FIZEMOS O ESTADO FUNCIONAR, AGORA QUEREM NOSSAS CABEÇAS, SÃO VARIIOS ORGÃOS PUBLICOS, FUNCIONARIIOS TRABALHANDO SOBRE PRESSÃO PSICOLOGICA, PASSANDO UMA VERDADEIRA TORTURA EMOCIONAL, ISSO É CRIME. QUEREMOS JUSTIÇA!!!PRECISAMOS DE PAZ PARA TRABALHAR, O QUE FICA IMPOSSIVEL QUANDO ESTAMOS COM UM GOVERNO QUE SÓ PENSA EM DEMITIR!!!

Eu gostaria de saber para qual finalidade eles lançaram esse edital, se a mgs esta demitindo os seus funcionarios sem justa causa, que empresa é essa que demite e contrata? será que isso não passa de uma nova chance do governador arrecadar dinheiro do povo?isso é uma grande afronta aos funcionarios demitidos.
http://www.pciconcursos.com.br/noticias/minas-gerais-administracao-e-servicos-s-a-oferece-209-vagas-e-salarios-de-ate-5-mil

Existe também um fato muito grave: A CONIVÊNCIA DOS SINDICATOS !!

Nos últimos anos além de "RIFAR" os funcionários em acordos obscuros com a MGS os sindicatos muito mais preocupados com sua sobrevivência (contribuições, etc)
DELIBERADAMENTE ESTÃO ATRASANDO AS CONVENÇÕES COLETIVAS para só serem homologadas após as demissões do começo do ano!

Ou seja: fingindo lutar por algum "direito ou reivindicação" apenas para atrasar os acordos.

Assim os funcionários demitidos recebem o acerto com base na CCT anterior ! e deixam de receber sobre os meses do ano em que a CCT ainda não foi homologada. Há e diga-se: atrasam mas não pagam reajustado não, viu?! A cláusula sempre vem na convenção, atrasam e quem sai perdendo somos nós!

FLAGRANTE DESONESTIDADE!

Tanto é que no final os sindicatos tem aceitado aquilo que a MGS já havia imposto...

ESTE ANO PARA O SEAC-MG (e filiados) ESTÃO "SEGURANDO" A CCT 2014 que tem data base em 1º de Janeiro, já aguardando o corte do Governo de Minas para que as demissões ocorram antes que a convenção seja homologada.

Já são vários anos q embora a data base seja 1º de janeiro - e o instrumento de registro no MTE já deveria estar em andamento ou concluido antes do final do ano anterior para ter efeitos na data base - mas só é homologado depois das "DEMISSÕES" do começo do ano.

Assim os funcionários saem no prejuizo... e a MGS lucra!

HÁ QUE SE PRESSIONAR OS SINDICATOS E VERIFICAR O ANDAMENTO DOS INSTRUMENTOS COLETIVOs !!!! o que tem data base em janeiro a essa altura já deveria estar pronto e seguir para registro no MTE para analise e aprovação.


A MGS é tão manipuladora que inclusive "criou" um sindicato para quem trabalha na informatica... pouca representatividade, sindicatos de fachada.

E não pensem senhores que o Governo de Minas não está ciente... é tudo feito de comum CONCHAVO!

É um grande negócio: o funcionário da MGS trabalha, recebe "X" mas pasmem, o que fica nas "mordidas" fica em volta de 40%. Ex: o funcionário recebe na carteira bruto: R$ 1.500,00 (liquido é bem menos), mas o órgão paga em média na fatura para a MGS R$ 2.200,00. A gente trabalha, eles enriquecem. (MGS, prefeituras... a politicagem)

A metralhagem é profissional, controle das informações, falta de transparência... a MGS agora tem participação no Diário Oficial. o " Minas Gerais". o que eles não querem a gente não acha. Por exemplo quando em 2009/2010 um procurador do estado descobriu que a MGS não tinha no seu estatuto os serviços de suporte administrativo e telefonista, ou seja, nem concurso podia ter feito! mas ja havia um exército espalhado pelo governo, principalmente no DER/MG.

Tudo muito "resolvido" com publicações retroativas, discrição e sombras... com a benção da SEPLAG que organizou e legalizou a pilhagem... coisa que inclusive faz muito bem.

Sem respeito, sem valorização, com todas as obrigações de um servidor, mas sem direitos que deveriam se garantidos pela isonomia do poder público, como o direito ao premio por produtividade, muito fantasma ganhando por metas que em muitos casos só foram possíveis pela participação de funcionários da MGS.

E ano que vem tem eleição... e a MGS já tá fazendo concurso... e a bandalheira segue.

Postar um comentário