sábado, 24 de agosto de 2013

Trabalhadores da MGS cruzam os braços em Belo Horizonte


Na última sexta feira, dia 23 de agosto, os trabalhadores da empresa pública Minas Gerais Administração e Serviços - MGS -, cruzaram os braços contras as 300 demissões por mês que o governo de Minas está fazendo na empresa. Organizados pelo Movimento Luta de Classes – MLC, os trabalhadores da MGS lotados na Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds) e na Secretaria de Saúde ocuparam a Praça Sete de Setembro, no coração de Belo Horizonte, e deram o recado: "MGS na rua, Anastasia a culpa é sua!"


As demissões já começaram há mais de um ano, sendo que seu número aumentou em 2013. Desta forma o governo de Minas está mostrando aos trabalhadores da MGS o que significa o “Choque de Gestão” defendido por Aécio Neves, Anastasia & Cia, como se fosse a oitava maravilha do mundo, o que de fato é para os empresários e patrões, mas para os trabalhadores e para o povo de minas significa demissão, precarização e privatização.
 
Com faixas dizendo “Anastasia: Pare de demitir na MGS” e “MGS =  Muita Gente Sofrendo” os trabalhadores da MGS fizeram um “apitaço” na porta do prédio onde se localiza as secretarias, e depois fizeram uma assembléia para debater a situação. Foi proposta na assembléia que os trabalhadores fossem para a Unidade de Atendimento Integrado – UAI, localizada também na Praça Sete, pois neste órgão trabalham cerca de 600 trabalhadores da MGS que estão sofrendo com as ameaças de privatização do setor. E assim foi feito: os trabalhadores foram em passeata e em frente à UAI fizeram mais “apitaços” e panfletaram tanto os trabalhadores da UAI quanto a população que passava. Após fazer barulho e denunciar as demissões, os trabalhadores decidiram encerrar o ato e voltar ao horário em que há a troca de turno na unidade, para panfletar os trabalhadores e continuar o protesto.

Com muita disposição de luta, os trabalhadores foram para a porta da UAI e por mais de uma hora mostraram a toda a população que o governo de Minas está demitindo concursados e retirando direitos dos trabalhadores.


A luta está só começando. Mais órgãos e secretarias estão se mobilizando. O movimento já tem uma agenda importante de denúncias e protestos. No dia 4 de setembro acontecerá, às 9 horas, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais uma audiência pública para debater as demissões na MGS, e no dia 13 de setembro está marcada a paralisação em todas as UAI’s de Minas.

Com luta e com garra vamos manter o emprego na marra!
Renato Campos Amaral
Movimento Luta de Classes - MG

11 comentários:

Gostei de ver, isso mesmo gente, vamos às ruas mostrar que somos fortes!!!!

A PARALISAÇÃO TEM QUE SER GERAL,COM TODOS OS FUNCIONÁRIOS DA MGS. A IDÉIA É PANFLETAR NA CIDADE ADMINISTRATIVA E MOTIVAR OS FUNCIONÁRIOS DA MGS LOTADOS NAS SECRETARIAS À ADERIREM A GREVE, AI SIM O GOVERNO IRÁ NOS HOUVIR, POIS AQUI NA CIDADE ADM. QUE TEM A MAIORIA DOS FUNCIONÁRIOS E QUE FAZEM ESTADO ANDAR, E SE PARAR OS QUASE 6 MIL FUNCIONÁRIOS, QUERO VÊ OS CONTRATOS, AS COMPRAS, AS LICITAÇÕES,AS FAXINAS, AS PORTARIAS ETC. FUNCIONAREM SEM OS FUNCIONÁRIOS QUE CARREGAM O ESTADO.

Tamos juntos para reeivindicar nossos direitos, paralização UAI-Muriaé 13-09-2013

Sete Lagoas está unida nesta causa.....Vamos parar.....

BH está forte nesta luta, é seremos vencendor.

MGS, é simplesmente o coração de minas, se parar para tudo.

se a MGS parar o estado tambem para , somos nós funcionarios da MGS que carregamos o estado nas costas

Os verdadeiros trabalhadores do Estado são os funcionários da MGS, se o governador quer cortes, porque não corta o que realmente enxuga os cofres públicos, como obras e compras superfaturadas, viagens desnecessárias, manutenção de helicóptero particular, etc. Não é cortando os míseros salários de funcionários que irá resolver o problema.

Funcinários da mgs demitidos ou que ainda enfrentaram a demissão, o negocio é levar na justiça por danos morais, não podemos deixar essa sacanagem continuar, assim que ocorrer a demissão ja entra na justiça por danos morais e quero ver se isso vai ficar barato para o estado, pq nós recebemos pouco ainda querem economizar, tem jeito de economizar é cortar a regalia dos boa vidas que ocupam cargos políticos não dos funcionários da mgs que ja são mais que explorados, SOMOS CONCURSADOS FIZEMOS CONCURSO PUBLICO, QUEREMOS JUSTIÇA...COVARDIA DO ESTADO CORTAR QUEM JA ESTA DERRUBADO, QUERO VER MEXER NO SALARIOS DOS POLITICOS, FUNCIONARIOS DA MGS JÁ NÃO TEM MAIS NEM O QUE CORTAR GAASTOS, JA VIVEM DE ESMOLA DO ESTADO.

Existe também um fato muito grave: A CONIVÊNCIA DOS SINDICATOS !!

Nos últimos anos além de "RIFAR" os funcionários em acordos obscuros com a MGS os sindicatos muito mais preocupados com sua sobrevivência (contribuições, etc)
DELIBERADAMENTE ESTÃO ATRASANDO AS CONVENÇÕES COLETIVAS para só serem homologadas após as demissões do começo do ano!

Ou seja: fingindo lutar por algum "direito ou reivindicação" apenas para atrasar os acordos.

Assim os funcionários demitidos recebem o acerto com base na CCT anterior ! e deixam de receber sobre os meses do ano em que a CCT ainda não foi homologada. Há e diga-se: atrasam mas não pagam reajustado não, viu?! A cláusula sempre vem na convenção, atrasam e quem sai perdendo somos nós!

FLAGRANTE DESONESTIDADE!

Tanto é que no final os sindicatos tem aceitado aquilo que a MGS já havia imposto...

ESTE ANO PARA O SEAC-MG (e filiados) ESTÃO "SEGURANDO" A CCT 2014 que tem data base em 1º de Janeiro, já aguardando o corte do Governo de Minas para que as demissões ocorram antes que a convenção seja homologada.

Já são vários anos q embora a data base seja 1º de janeiro - e o instrumento de registro no MTE já deveria estar em andamento ou concluido antes do final do ano anterior para ter efeitos na data base - mas só é homologado depois das "DEMISSÕES" do começo do ano.

Assim os funcionários saem no prejuizo... e a MGS lucra!

HÁ QUE SE PRESSIONAR OS SINDICATOS E VERIFICAR O ANDAMENTO DOS INSTRUMENTOS COLETIVOs !!!! o que tem data base em janeiro a essa altura já deveria estar pronto e seguir para registro no MTE para analise e aprovação.


A MGS é tão manipuladora que inclusive "criou" um sindicato para quem trabalha na informatica... pouca representatividade, sindicatos de fachada.

E não pensem senhores que o Governo de Minas não está ciente... é tudo feito de comum CONCHAVO!

É um grande negócio: o funcionário da MGS trabalha, recebe "X" mas pasmem, o que fica nas "mordidas" fica em volta de 40%. Ex: o funcionário recebe na carteira bruto: R$ 1.500,00 (liquido é bem menos), mas o órgão paga em média na fatura para a MGS R$ 2.200,00. A gente trabalha, eles enriquecem. (MGS, prefeituras... a politicagem)

A metralhagem é profissional, controle das informações, falta de transparência... a MGS agora tem participação no Diário Oficial. o " Minas Gerais". o que eles não querem a gente não acha. Por exemplo quando em 2009/2010 um procurador do estado descobriu que a MGS não tinha no seu estatuto os serviços de suporte administrativo e telefonista, ou seja, nem concurso podia ter feito! mas ja havia um exército espalhado pelo governo, principalmente no DER/MG.

Tudo muito "resolvido" com publicações retroativas, discrição e sombras... com a benção da SEPLAG que organizou e legalizou a pilhagem... coisa que inclusive faz muito bem.

Sem respeito, sem valorização, com todas as obrigações de um servidor, mas sem direitos que deveriam se garantidos pela isonomia do poder público, como o direito ao premio por produtividade, muito fantasma ganhando por metas que em muitos casos só foram possíveis pela participação de funcionários da MGS.

E ano que vem tem eleição... e a MGS já tá fazendo concurso... e a bandalheira segue.

Postar um comentário