terça-feira, 3 de setembro de 2013

Cresce mobilização dos trabalhadores nas redes de fast-food dos Estados Unidos


Com a crise do capitalismo, tem aumentado as mobilizações dos trabalhadores em todos os setores da sociedade. No setor de fast-food dos Estados Unidos uma verdadeira onde de greves, resultado das péssimas condições de trabalho e baixos salários tem se desenvolvido e já atingem 10 cidades.

Essas greves se iniciaram em 2012, com protestos pontuais e envolve várias redes de restaurantes, mas quem concentra o maior número de reclamações é o McDonald’s, principal rede de fast-food dos Estados Unidos.

Como esse segmento dos trabalhadores não tem um histórico de mobilizações, muita gente tem se surpreendido. “As companhias vão querer fazer algo para acabar com essa publicidade negativa pois a pressão está forte", diz Nelson Lichtenstein, especialista em história trabalhista da Universidade da Califórnia.

A  expectativa é que os impactos das mobilizações continuem, especialmente sobre as grandes redes, como o McDonald's e o Burger King."Eles (os empresários) ainda não vieram falar com os trabalhadores. Enquanto isso, o protesto aumenta. Na última greve em Nova York foram quase 500 pessoas, fora as outras cidades", diz Amelia Adams, da New York Communities for Change, uma das entidades organizadoras.


1 comentários:

realmente essa categoria ainda não está tão mobilizada assim ,mas eu como trabalho na area ,digo que como todos os operarios também sofrem agressões psicologicas ,moral ,assedio sexual e até físicas por parte de clientes e ate´de seus chefes -não que eu nunca tenha visto -sofrem o corte de direitos trabalhistas na mais cara dura ,aqui no rio de janeiro, não se tem -em algumas casas- o direito ao domingo do mês ,não paga o cem por cento do feriado e ainda trabalham com um contigente pequeno de funcionarários para o aumento do lucro . eu uma certa vez ,no lugar que ainda trabalho reclamei de exatamente isso que citei acima - pouco funcionário,domingo e feriado - o gerente e socio ,logo me chamou com a loja ainda fechada ,para dizer que nãoqueria ninguem rebelde ,reclamando das coisas e era melhor eu me calar para não provocar problemas . me ofereceu até um acordo para eu sair do emprego ,mas não aceitei. fui ao sindicato e me orientaram a aceitar um acordo de 10mil reais -era golpe .um sindicat que não garante direitos ia me garantir 10mil ? -então estou lá ,mas todos os dias ouço barbaridades ,incentivam a concorrencia entre os funcionarios e há denuncias de desprezo a outros .mas não paro de lutar ,sei que é terrivel a condição de trabalho dessa categoria ,então lutem camaradas.

Postar um comentário