quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Abaixo a criminalização dos Movimentos Populares!




Nós Servidores Públicos Federais do Rio de Janeiro, organizados no Movimento
Luta de Classes - MLC, repudiamos a tentativa da burguesia e seus meios de comunicação, aliados a setores conservadores da sociedade e do governo em criminalizar as manifestações populares, que desde junho tomam as ruas do Rio de Janeiro e das grandes cidades do Brasil.
Rejeitamos a ação da grande mídia que ataca os movimentos sociais e as manifestações populares, chamando de vândalo o brasileiro que não se curva a repressão policial. Mas elogiando o ‘manifestante’ neonazista ucraniano e a direita golpista venezuelana, pois estes são aliados dos interesses do grande capital internacional.
Acreditamos que a ação popular contra os grandes símbolos do capitalismo, bancos, concessionárias de veículos, grandes marcas entre outros, demonstram a justa revolta do povo contra a situação de exploração ao qual está submetida. Ainda que não possuam um efeito revolucionário concreto, estas ações deixam claro quem são realmente os inimigos do povo.
Consideramos vergonhoso o uso político da morte do repórter-cinegrafista Santiago Andrade, da Bandeirantes, pelo estado burguês e seus aliados na grande imprensa, que visam justificar à escalada da repressão em manifestações de rua.  Usando desse fato, para de todas as formas aprovar o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 499/2013, que nada mais é que, o AI – 5 (Ato Institucional, decretos usados pela Ditadura Civil-Militar para suprimir as liberdades de manifestação e organização popular) dos tempos modernos. O Secretario de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, propõe, por sua vez, uma lei com inspiração fascista, na qual correria-se o risco de ser preso pelo simples envio de um e-mail convidando para uma manifestação.
Solidarizamo-nos com os partidos e organizações de esquerda, que estão sendo atacados pela cruzada reacionária e acusados de pagar diárias de R$150,00 para militantes provocarem tumultos. Sabemos que os que realmente recebem diárias, bônus e gratificações são os agentes infiltrados pela policia para desestabilizar e incitar a violência nas manifestações.
Compadecemo-nos com a dor da família de Santiago Andrade, trabalhador vitimado por um acidente, cujo patrão não forneceu equipamentos de segurança adequados, que poderiam ter lhe salvo a vida.
Mas nós nos solidarizamos também com Caio Souza e sua família, trabalhadores pobres da periferia, vítimas do descaso cotidiano do Estado, trucidados pela imprensa, pela direita e, até, por setores que se dizem de esquerda.
Sabemos que o crime do rico a lei encobre, com o apoio da mídia, enquanto o Estado, através de seu aparato repressivo busca esmagar qualquer voz dissonante com tiros, bombas e cassetete, mas não nos calarão jamais!


Saudações Socialistas e Revolucionárias.



Movimento Luta de Classes - MLC

0 comentários:

Postar um comentário