terça-feira, 16 de agosto de 2016

GREVE DOS PROFESSORES NO CEARÁ CHEGA AO FIM APÓS GOLPE DA DIREÇÃO DO SINDICATO.




             Assembleia dos professores ocorreu no dia 09 de Agosto no Ginásio Paulo Sarasate, Fortaleza-CE, mais de 2000 professores participaram, apesar das dificuldades para acessar as imediações do local por conta da falta de crachá que identifica os professores filiados ao sindicato APEOC (Associação dos Professores de Estabelecimentos Oficiais Ceará). Após a defesa da proposta de suspenção da greve realizada por dois professores e da defesa da proposta de continuação da greve feita também por dois professores; no momento da votação ficou claro para os professores presentes que a proposta a favor da continuação da greve havia sido vitoriosa, menos para o presidente do sindicato APEOC: Anízio Melo e direção do sindicato, que através do contraste visual, ou seja, com maioria visível dos votos a favor da continuação da greve; afirmou que a proposta de suspenção teria sido a favorita. O golpe gerou uma revolta nos professores presente na assembleia, o que levou alguns, impedir a saída da direção do sindicato do ginásio; todavia os seguranças contratados pela APEOC agrediram os professores que protestavam contra o golpe com murros e empurrões; a direção sindical conseguiu fugir do local.

            A greve dos docentes no Ceará foi deflagrada no dia 20 de abril em assembleia no ginásio Parangaba, Fortaleza-CE, com adesão da maioria dos professores. Mais de 60 escolas estaduais foram ocupadas pelos estudantes. A greve dos professores foi motivada por corte no orçamento na Educação feita pelo Governo Camilo Santana (PT), retirada de direitos trabalhistas; o não cumprimento da data-base de reajuste salarial da categoria, de 1º de janeiro, os docentes reivindicava reajuste de 12,67%.

            A greve durou 107 dias, apesar da reivindicação de reajuste salarial não ter sido atendida pelo Governo Camilo, os professores obtiveram algumas conquistas; como melhorias no processo jurídico de contratação dos professores temporários; repasse de 32 milhões para reformas das escolas estaduais, aumento Irrisório no valor da regência de classe para todos os níveis da carreira para efetivos ativos e aposentados; reajuste de 5% na remuneração dos professores temporários.

            Sabemos que desde 2015 o Brasil enfrenta uma crise econômica e uma das formas dos governos capitalistas para superar as crises é através do aumento da exploração dos trabalhadores, por este motivo os trabalhadores da educação estão sofrendo várias perdas de direitos trabalhistas e diminuição dos salários. Evidentemente, este caminho feito pelos governos para superar as crises econômicas, na medida em que se aprofunda a exploração da classe operária; só agrava a contradição fundamental do capitalismo, isto é, a contradição entre a burguesia e os trabalhadores e coloca perante a classe operária necessidade de lutar para pôr fim a esse sofrimento.

Movimento Luta de Classes

0 comentários:

Postar um comentário