Greve de trabalhadores deixa França paralisada

As greves na França contra o projeto de Reforma Trabalhista do governo de Hollande se estenderam a vários setores

Déficit da previdência social é farsa!

Com argumentos incontestáveis, Denise Gentil destroça os mitos oficiais que encobrem a realidade da Previdência Social no Brasil

Sindicalistas de todo o país aderem à Unidade Popular

Em um ato público realizado em Maceió, Alagoas, sindicalistas de vários estados aderiram ao Partido Unidade Popular pelo Socialismo

PL\4330 volta à pauta no Congresso Nacional

O movimento sindical deve colocar a luta contra o PL 4330 como uma batalha de vida ou morte para a classe trabalhadora.

Apesar de comum, assédio sexual no trabalho é pouco denunciado no Brasil

Vergonha, medo e dificuldade de provar a agressão levam as vítimas a preferir o silêncio.


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Aprovada a PEC 241/55 no primeiro turno no Senado - Mas a luta continua!



Bombas de gás e efeito moral foram usadas contra manifestante
Mesmo com o luto de três dias decretados pós queda do avião da Associação Chapecoense de Futebol,mesmo com a intensa luta dos estudantes, trabalhadores em educação entre outras categorias contra a aprovação da PEC 241/55, o Senado aprovou em primeiro turno esse ataque de 20 anos à população brasileira.
Ontem, data da votação milhares de pessoas foram à Brasília, ocupando a esplanada dos Ministérios como forma de pressionar os senadores e mostrar a indignação da classe trabalhadora contra esse Novo Regime Fiscal, que congelará durante 20 anos o orçamento para saúde, educação, moradia, transporte entre outros gastos públicos. Essa é a decisão do governo de banqueiros, que golpearam o país no ultimos meses. Os banqueiros preferem garantir o exorbitante pagamento dos juros e amortizações da dívida pública, que hoje são 42,43% do orçamento brasileiro, ou seja esse é o maior gasto público que não será congelado, mas sim garantido. Até por que, os credores dessa dívida são os mesmos banqueiros que estão no governo brasileiro, como o acionaista do BancoItaú Ilan Goldfajn, hoje presidente do Banco Central.
Companheiros do MLC e da UP participaram do ato

    O que se viu em Brasília ontem foi, além de um ataque orçamentário à população, um ataque violento por parte da polícia contra os manifestantes. Foram utilizados sprays de pimenta, bombas de gás lacrimogênio, balas de borracha, agressões físicas e muita repressão.
O caráter do golpe é justamente o da repressão das liberdades, onde fazer manifestação é tratado único e exclusivamente como caso de polícia, é o que acontece de forma clara pós temer na presidência.
Em seu primeiro turno no senado, os votos foram de 61 votos a favor da PEC e 14 votos contra. O segundo turno está marcado para dia 13 de Dezembro, data que marcará 48 anos da promulgação do Ato Institucional n 5, o AI 5. Mais manifestações estão marcadas em todo o país, a luta continua contra a PEC 241/55, e pelos direitos do povo pobre e da classe trabalhadora.

Movimento Luta de Classes

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Ação da Chapa 2 obriga os golpistas a abrirem as urnas!


Respondendo à ação judicial impetrada pela Chapa 2- Oposição Sintrasef Pela Base, a juíza da 71ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, deferiu pedido de acautelamento das urnas restantes das eleições sindicais, e a posterior abertura e contagem das mesmas. Dessa maneira os servidores do INCRA, do IEN e do INC/INES terão seu direito de ver seus votos respeitados garantidos.
         Pela decisão da juíza, os réus (a maioria da Comissão Eleitoral ligados à chapa 1/situação) que tentam a todo custo desrespeitar a vontade da maioria das bases do sindicato, terão o prazo de 10 dias para se manifestarem.
         Vale lembrar que os golpistas da chapa1/situação e seus apoiadores na Comissão Eleitoral além de impedir a abertura das quatro urnas restantes sem motivos consistentes, ainda se negaram a debater as razões para tamanho golpe e depois, irresponsavelmente publicaram em papel sem timbre do sindicato no facebook e no site sindical um resultado mentiroso e fictício do pleito.
         A Chapa 2 - Oposição Sintrasef Pela Base, se manteve firme na defesa da vontade dos servidores expressa nas urnas e, para isso recorreu à justiça para garantir a democracia sindical. Nossa posição frente aos desmandos dos golpistas da chapa 1/situação sempre foi pela abertura das urnas e pelo respeito à vontade da maioria.
         Se quisermos combater os sacos de maldades do governo golpista de Temer teremos que contar com sindicatos fortes que detenham o respeito e a confiança de suas bases. E, para isso, é necessário derrotarmos os golpistas infiltrados no movimento sindical, e prepararmos o nosso Sintrasef para novamente ser um sindicato de luta, que defenda nossos direitos ameaçados e nos conduza a conquista de nossas reivindicações.

Sintrasef é pra lutar!!!
Em defesa da democracia!!

Fora Temer !!!

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Explosão na Gerdau mata três terceirizados em Ouro Branco/MG


Allan Prado e Douglas Neto esrma naturais de Ipatinga, Minas Gerais
Um acidente na usina da Gerdau, em Ouro Branco, Região Central de Minas Gerais, matou três funcionários e deixou um ferido. Uma equipe da Convaço, empresa terceirizada que prestava serviço para a siderúrgica, fazia um trabalho de solda num dos gasômetros da usina, no alto-forno, quando houve uma explosão, por volta das 16h30.
Douglas Eduardo Neto, 24, Allan Roger Prado, 23, e José Cezar Miguel, de 51, morreram. Eli Carlos Almeida Fernandes, 36, ficou ferido, mas já teve alta. Eles foram encaminhados para o Hospital Fundação Ouro Branco.

A explosão só foi divulgada um dia depois, por meio de uma nota. No texto, a Gerdau informou que as duas empresas estão “prestando toda a assistência às famílias das vítimas e trabalhando para apurar as causas do acidente”.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Ouro Branco, também por meio de uma nota, afirmou que os acidentes na usina têm sido frequentes e envolvem principalmente trabalhadores de empresas terceirizadas. De acordo com o sindicato, no dia 10, um trabalhador terceirizado caiu do alto-forno e teve um corte profundo na barriga. No começo do mês, dois trabalhadores também sofreram uma queda na área da aciaria (local onde o ferro-gusa é convertido em aço). Um ficou ferido e o outro segue internado em estado grave.

A entidade diz ainda que vai exigir que a empresa crie uma comissão com a presença de representantes do sindicato para apurar a causa do acidente. “A recusa da empresa sobre esta proposta do sindicato nos levará ao Ministério Público Federal do Trabalho (...) Nossas condolências aos familiares”, diz trecho da nota. Segundo o sindicato, vários trabalhadores ficaram em estado de choque com o acidente.

TRISTEZA Douglas e Allan eram primos e moravam em Ipatinga. Douglas era recém-casado e Allan estava noivo. As companheiras dos dois jovens ficaram inconsoláveis com as mortes. Nas redes sociais, a noiva de Allan, Francieli Moreira, fez uma homenagem ao namorado com quem estava há cinco anos. “Não tenho palavras pra descrever o que sinto. Única coisa que sei é que te amarei para sempre e você foi a melhor coisa que me aconteceu na vida. Te amo pra sempre, minha vida. Saudades eternas”, escreveu Francieli. A reportagem não conseguiu contato com familiares dos operários mortos.

Importante lembrar que os dados de acidente de trabalho com terceirizados só aumenta. Os números são de a cada 10 mortes por acidente de trabalho, 8 são de terceirizados. Está em pauta no Supremo Tribunal Federal, a votação sobre a liberação da terceirização na atividade fim. Precisamos ficar atentos, pois é a vida da classe trabalhadora que está em jogo.

Fonte- Jornal Estado de Minas