Greve de trabalhadores deixa França paralisada

As greves na França contra o projeto de Reforma Trabalhista do governo de Hollande se estenderam a vários setores

Déficit da previdência social é farsa!

Com argumentos incontestáveis, Denise Gentil destroça os mitos oficiais que encobrem a realidade da Previdência Social no Brasil

Sindicalistas de todo o país aderem à Unidade Popular

Em um ato público realizado em Maceió, Alagoas, sindicalistas de vários estados aderiram ao Partido Unidade Popular pelo Socialismo

PL\4330 volta à pauta no Congresso Nacional

O movimento sindical deve colocar a luta contra o PL 4330 como uma batalha de vida ou morte para a classe trabalhadora.

Apesar de comum, assédio sexual no trabalho é pouco denunciado no Brasil

Vergonha, medo e dificuldade de provar a agressão levam as vítimas a preferir o silêncio.


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Explosão em usina da Gerdau deixa dois mortos e 10 feridos em Ouro Branco, Minas Gerais



Uma explosão na usina da Gerdau, em Ouro Branco, Região Central de Minas Gerais, a 116 quilômetros da capital, deixou dois mortos e 10 feridos. O acidente ocorreu na manhã desta terça-feira, dia 15 de Agosto. Peritos da Polícia Civil estão nas instalações da metalúrgica levantando as causas da explosão, que teria ocorrido em um alto forno.

A investigação, segundo informações da corporação, ficará a cargo da Polícia Civil de Congonhas, já que essa unidade da Gerdau está localizada nesse município. A Polícia Militar de Ouro Branco (PM) e o Corpo de Bombeiros ainda não foram comunicados sobre o fato.

A Gerdau confirmou, por meio de nota, que "ocorreu na manhã de hoje um acidente com duas mortes na sua usina em Ouro Branco. A Empresa está prestando assistência às famílias das vítimas e trabalhando para detectar as causas do acidente. Mais informações serão disponibilizadas no decorrer do dia."

No entanto, já noticiamos aqui no site do Movimento Luta de Classes outro acidente na mesma empresa que vitimou 3 trabalhadores. Não podemos naturalizar as mortes daqueles que precisam vender sua força de trabalho para dar o que comer a sua família. Nem cair em argumentos patronais colocando a culpa nos trabalhadores. É necessário aumentar a vigilância da segurança do trabalho dentro das fábricas garantir a vida de nossa classe. 

Fonte: Estado de Minas