segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Governo Temer suspende, por tempo indeterminado, votação da Reforma da Previdência


As idas de Temer à TV resultaram em fracasso
O Governo Temer anunciou neste dia 19 de Fevereiro, mesmo dia em que vários atos foram realizados em todo país, que a Reforma da Previdência foi suspensa. A desculpa utilizada foi a de não ser possível revogar temporariamente a Intervenção Militar no Rio de Janeiro, "tão necessária" segundo os golpistas, para resolver o "problema da segurança pública" naquele estado.
O fato é que a classe trabalhadora realizou a maior greve geral da história no dia 28 de Abril de 2017, ocupou Brasília no dia 24 de Maio de 2017 e se fez presente nas principais ruas e avenidas de todo o país, dizendo não a violenta Reforma da Previdência proposta pelo governo dos banqueiros e dos patrões. Nesta Reforma, os trabalhadores estavam condenados a trabalhar por mais de 40 anos  para conseguir se aposentar com o valor integral, atingindo os trabalhadores rurais, servidores públicos e na iniciativa privada, deixando de fora parlamentares, juizes e militares, que por sua vez, recebem os maiores salários de aposentados do Brasil. Este fato deixa claro a farsa do discurso governista que a reforma combatia privilégios.  
Por isso, foi a organização popular que impôs ao governo Temer esta derrota.
No entanto, o golpe continua a se desenvolver, agora com o apoio das Forças Armadas que realizarão uma intervenção na segurança pública no estado do Rio de Janeiro. Sabemos que o exército de nada ajudará a resolver o problema da violência naquele estado, pois as verdadeiras causas desta situação que está presente em todo o Brasil é a desigualdade social, o desemprego, a miséria, problemas intrísecos ao sistema capitalista.
Além disso, o governo golpista não desistiu da mudar a previdência como um todo, e quer aprovar a conta gotas os ataques que também atingirão os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras. Cabe à organização da nossa classe  enfrentar o que está por vir, superar e propor verdadeiras mudanças em nosso país para construir uma nova sociedade, por uma sociedade sem patrões e sem exploração. 

Renato Campos
Movimento Luta de Classes

0 comentários:

Postar um comentário