Greve de trabalhadores deixa França paralisada

As greves na França contra o projeto de Reforma Trabalhista do governo de Hollande se estenderam a vários setores

Déficit da previdência social é farsa!

Com argumentos incontestáveis, Denise Gentil destroça os mitos oficiais que encobrem a realidade da Previdência Social no Brasil

Sindicalistas de todo o país aderem à Unidade Popular

Em um ato público realizado em Maceió, Alagoas, sindicalistas de vários estados aderiram ao Partido Unidade Popular pelo Socialismo

PL\4330 volta à pauta no Congresso Nacional

O movimento sindical deve colocar a luta contra o PL 4330 como uma batalha de vida ou morte para a classe trabalhadora.

Apesar de comum, assédio sexual no trabalho é pouco denunciado no Brasil

Vergonha, medo e dificuldade de provar a agressão levam as vítimas a preferir o silêncio.


quarta-feira, 18 de abril de 2018

Lei da reforma trabalhista poderá piorar estatísticas de pobreza extrema, avalia Anamatra


Mais de 7% da população brasileira, o que equivale a 14,83 milhões de pessoas, vivem em situação de pobreza. O dado, revelado em estudo da LCA Consultores, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, do IBGE, demostra que, entre 2016 e 2017, o índice de brasileiros nesta situação aumentou 11,2%.

Para a diretora de Cidadania e Direitos Humanos da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luciana Conforti, os índices de pobreza extrema e da desigualdade social no Brasil serão acentuados com a Lei nº 13.467/2017 (reforma trabalhista). “O trabalho intermitente ou contrato a zero hora não garante uma renda mínima e digna para que o trabalhador possa fazer face às suas necessidades mais básicas”, alerta a magistrada.


O estancamento da redução da desigualdade no Brasil, onde mais de 20% da renda total se concentra no 1% mais rico - enquanto na maioria dos países desenvolvidos (excetuando os Estados Unidos) esta cifra não supera 15% - também deve ser considerado.  A juíza também lembra a acentuada concentração geográfica da população e da atividade econômica em um número reduzido de lugares dentro de cada país, normalmente nas principais áreas metropolitanas, segundo dados da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal/ONU).


*Ocupação precária –* Dados do IBGE revelam que a população ocupada aumentou em mais de 1,8 milhão de pessoas em relação a janeiro de 2017, porém devido ao crescimento do trabalho informal. O Instituto avalia que as políticas do Governo Federal não foram eficientes para gerar postos com carteira de trabalho assinada, o que colabora para o crescimento recorde da informalidade.  O índice de desemprego no Brasil atingiu 12,2% no trimestre encerrado em janeiro de 2018. Isso significa que 12,7 milhões de pessoas estão desempregadas no país.

O presidente da Anamatra, juiz Guilherme Feliciano, associa-se às constatações do IBGE. Para o magistrado, o fato do emprego formal não estar chegando às famílias brasileiras põe em xeque as saídas propostas pela Reforma Trabalhista, notadamente naquilo em que estimula formas precárias de contratação, como o contrato de trabalho intermitente e a figura da prestação de serviços de autônomo exclusivo. "A  prestação de serviços de autônomo exclusivo implica em informalidade e o contrato de trabalho intermitente, se permite inflar as estatísticas do emprego formal, pode ser vazio de conteúdo, autorizando meses de contratação sem qualquer salário. Na prática, em situações como esta, a condição social será a mesma de um trabalhador informal”, aponta.

FONTE: https://www.anamatra.org.br/imprensa/noticias/26360-lei-da-reforma-trabalhista-podera-piorar-estatisticas-de-pobreza-extrema

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Prisão de Lula visa a aprofundar golpe contra trabalhadores


Lula saindo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
A Unidade Popular pelo Socialismo (UP) vem a público convocar a resistência popular em defesa da democracia violada e para impedir a ilegal e injusta prisão do ex-presidente Lula. É preciso resistir porque esta prisão sem provas e decida por um STF chantageado e pressionado pelas Forças Armadas (as mesmas que, em 1964, impuseram ao nosso país uma ditadura militar fascista) representa um aprofundamento do golpe contra os trabalhadores e a soberania nacional.

Consideramos que o único caminho a seguir é o da luta popular, sem depositar nenhuma ilusão com as atuais instituições e sabendo que tanto o Congresso Nacional quanto STF e as Forças Armadas não merecem nenhuma confiança, pois são, em essência, defensores da “ordem” a favor da grande burguesia, do imperialismo e da exploração da classe trabalhadora.

Por isso, nossa resistência deve ocupar as ruas e exigir imediatamente a prisão de Temer e de sua quadrilha a serviço dos banqueiros e dos monopólios estrangeiros e nacionais. Acreditamos que a única maneira de barrar esse golpe é através da formação de uma grande Frente Popular contra o avanço do fascismo e pela convocação e realização imediata de uma grande Greve Geral pela revogação da reforma trabalhista e de todas as medidas antipopulares aprovadas por Temer.

Por fim, convocamos toda a militância da UP e os movimentos a ela ligados para ocuparmos as ruas em defesa das liberdades democráticas, contra o fascismo e pelo fim do golpe contra os direitos do povo brasileiro.

Nossa resistência agora é fundamental para barrar os golpistas, abrindo caminho para o fortalecimento da Unidade Popular e da luta pelo poder popular e pelo socialismo.

Executiva Nacional da UP, 6 de abril de 2018

Fonte:http://averdade.org.br/2018/04/prisao-de-lula-visa-aprofundar-golpe-contra-trabalhadores/