segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Saiba por que o milionário Bolsonaro é contra os trabalhadores


Trabalhadores e trabalhadoras

Estamos vivendo um dos momentos mais decisivos da nossa história. Nos últimos anos tivemos nossos direitos atacados pelo governo Temer. A aprovação da Lei da Terceirização, a Reforma Trabalhista,o Congelamento do Orçamento para a Saúde, Educação e outras áreas sociais (Emenda Constitucional 95) e a ameaça constante de aprovação da Reforma da Previdência são algumas das medidas que rasgaram a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, substituiram claúsulas fundamentais na Constituição e aumentou o desemprego. Atualmente, 37 milhões de brasileiros e brasileiras estão desempregadas e algumas delas desistiram de procurar emprego.O resultado disso é desesperança e revolta.Mas precisamos ficar atentos sobre o que está em jogo nestas eleições.O candidato do PSL, Jair Bolsonaro,deputado federal há 27 anos, se apresenta como novo, como que resolverá os problemas do país e colocará tudo em seu devido lugar. Mas a realidade é completamente diferente. Bolsonaro defende um governo para os ricos. Um exemplo é a proposta de adotar a carteira de trabalho verde e amarela, que terá um contrato individual do trabalhador com o
patrão. Assim, o banco de horas ou horas extras, aumento salarial, licenças entre outras questões seriam acordadas com o patrão e por fora da CLT. Na pratica é a volta da escravidão. Coerente com que disse em entrevista à rádio Jovem Pam, no dia 05 de Fevereiro de 2018;

“(...) É o seguinte: o trabalhador vai ter que viver esse dia. Menos direito e emprego ou todos os direitos e desemprego.” afirmou o candidato. Como se não bastasse isso, o vicê de Bolsonaro, General Mourão, militar reformado, disse mais de uma vez que 13o Salário é muito pesado para os patrões pagarem, e que isso deveria ser revisto. Mal sabe ele que o décimo terceiro é fruto de lutas do movimento sindical, pois é referente aos outros dias do ano em que trabalhamos de graça, como os meses que tem 31 dias. Logo o Mourão que recebe cerca de 15 mil reais por mês , incluindo seu décimo terceiro. Além desses projetos que piorarão a vida que quem vive do trabalho no Brasil, a
proposta de Bolsonaro é privatizar as empresas nacionais e entregá-las para mãos estranjeiras. Esse foi um dos motivos de sua ida aos EUA, quando bateu continência para bandeiraestranjeira, um claro sinal de servidão aos americanos. Não podemos escolher para um país um caminho de violência contra o povo pobre e trabalhador. O Brasil é o país que mais mata negros pobres do mundo. A ultima estimativa do Ministério da Saúde apresentada é de 40 mil jovens negros assassinados por ano. Este é o resultado do preconceito, pois a regra tem sido atirar e depois perguntar. O Brasil é um dos países onde mais se mata mulher no mundo, segundo o levantamento do G1, a cada duas horas morre uma mulher assassinada no Brasil. Os discursos de Jair Bolsonaro reforçam essa estatistica. Uma vergonha para o nosso país.
         Em 2013 Bolsonaro disse a seguinte frase: “Só tem uma utilidade o pobre nesse país, votar. Título de eleitor na mão e diplma de burro no bolso”.Segundo a matéria na Folha de São Paulo do dia 11 de Junho de 2018, Bolsonaro defende política de esterilização de pobres para combater a miséria.Não para por aí; O candidato disse, em uma palestra no clube Hebraica: “eu
fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais” afirmou. Isso que o candidato pensa dos Quilombolas, que lutam pelo reconhecimento de suas terras e cultura desde a escravidão. O que está em jogo é a forma de sociedade que nós queremos. Tudo o que defende o candidato são idéias típicas do fascismo, ideologia que defende tudo para os ricos e trata os pobre e os trabalhadores como caso de polícia.
Não podemos aceitar que isso tome conta de nosso país!
      Por isso, neste segundo turno a classe trabalhadora precisa ter a consciência de que estão em jogo a manutenção de nossos direitos, e mais, a garantia de termos o direito de lutar para melhorar nossa condição de vida.Não podemos ter dúvida, por mais críticas que podemos ter aos governos do Partido dos Trabalhadores,  garantir a democracia para avançarmos em nossos direitos é o principal.
Assim, neste domingo nosso voto é Haddad, 13! Contra o fascismo!

Renato Campos
Movimento Luta de Classes

0 comentários:

Postar um comentário